PARAR…PARA PROSSEGUIR!

Há momentos, dias, ou períodos de vida, em que precisamos de estar sós.
Precisamos, seja para retemperarmos  e recuperarmos a nossa saúde física e mental, seja para repensarmos a nossa vida, os passos do nosso caminho, as nossas escolhas… para repensarmos até que ponto estamos a cumprir com o que o nosso coração pede. Só assim poderemos procurar estar bem connosco próprios, com os outros e com o mundo.
 
Claro que sabemos: “Todos” somos alvo de um desgaste enorme… desgaste de que muitas vezes nem nos apercebemos, porque somos nós que o promovemos. Compactuamos com ele. Precisamos dele, viciados neste ritmo e conceito de vida que julgamos e procuramos que nos preencha… mas que nos esvazia mais e mais, mesmo sem o querermos.
 
Nesta correria da vida, de rotinas estabelecidas, horários infindáveis, múltiplas tarefas, objectivos sucessivos… vida de excessos, no excessivo desejo de sermos perfeitos, acabamos, apesar da nossa boa vontade, por sentir um vazio. O vazio causado pela impressão de que tudo nos parece insuficiente… por haver sempre, sempre, mais e mais para fazer, para dar, para produzir, para construir, para mudar… seja em nós, seja naquilo e naqueles que nos rodeiam…
Vivemos assim esta insatisfação. Este vazio…
 
O nosso corpo sabe bem o que precisa. Emite sinais, a que somos, a maioria das vezes, alheios, distraídos como estamos nesta tarefa aparentemente construtiva e de boa vontade, é certo, mas que nos afasta do que realmente precisamos para nos mantermos saudáveis e capazes do que é possível… se aprendermos a gerir o que queremos e somos capazes. O possível, no tempo possível.
 
Querer é poder. É certo. Devemos lutar pelo que acreditamos… por uma vida e um mundo melhor… mas temos que aprender a saber respeitar o tempo necessário, diferente para cada um de nós, para conseguirmos o que almejamos… e o nosso desenvolvimento pessoal e espiritual é feito ao longo de uma vida inteira.
 
Há que aproveitar, o tempo e a vida: fazendo, trabalhando, empenhando-nos, sim…
…devemos realmente, fazer, trabalhar, empenharmo-nos… e isso, exige esforço, envolvimento, amor, crença, perseverança… mas exige acima de tudo aprendizagem… e nessa aprendizagem, incluo a aprendizagem da humildade, do reconhecimento das nossas limitações, dos nossos limites… porque só daí poderão crescer as nossas forças… as nossas competências… as que desejamos para continuar, mesmo que, para o fazermos, por vezes necessitemos PARAR!
 
De facto há momentos, dias, ou períodos de vida, em que precisamos de estar sós… mas nesses momentos, dias ou períodos de vida, também precisamos dos outros, dos AMIGOS que nos acompanham, nos ajudam, nos são fundamentais para que consigamos REVER o que aparentemente sabemos, ou julgamos saber, talvez mais facilmente para os outros do que para nós próprios.
 
Para cada um desses AMIGOS e a cada um de forma particular, mesmo para aqueles que se manifestam em silêncio… o meu agradecimento, porque me têm ajudado a enfrentar mais um período difícil, com a sua compreensão, cuidado e carinho…
 
É difícil confrontarmo-nos com as nossas limitações… mas só o confronto, reflexão, compreensão, aceitação e perdão para connosco próprios, permite que prossigamos o nosso caminho. A nossa aprendizagem e crescimento.
 
Precisamos de facto PARAR… para PROSSEGUIR!
OBRIGADA AOS MEUS AMIGOS!!!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

10 respostas a PARAR…PARA PROSSEGUIR!

  1. Emília Pinto diz:

    E é esse vazio que tenho sentido nestes últimos tempos, Isabel…um vazio que me esvazia até as ideias e a vontade de comentar os posts dos amigos. Logo eu que costumo deixar ” testamentos” nos comentários. Não sei se é o tempo mau…se é a falta da família que tenho no Brasil ( pais e irmão ) se é simplesmente a falta de problemas que me faz ver problema em tudo. claro que tenho pequenos problemas como toda a gente, mas não são motivo para este sentimento; sou muito ingrata à vida, mas…que hei-de fazer? Lutar para mudar e esperar que amanhã esteja melhor. Já vim aqui várias vezes, mas o comentário não saíu; hoje resolvi fazer força e deixar-lhe aqui umas palabvrinhas de apreço pela sua amizade e também para lhe dizer que entendo muito bem esta sua necessidade de estar só. Hoje é assim que vou ficar…só, de pijama…a refletir. Quem sabe amanhã não virei aqui mais colorida? Hoje estou muito apagada amiga!!!! Beijinhos e votos de que consiga prosseguir muito em breve!
    Emília

    • oh…querida Emília… não gosto nada de a sentir assim… temos dias, realmente!… mas sei que logo, logo se vai sentir melhor!!! Força… e obrigada pelo seu esforço de escrever aqui!!!
      Beijinho amigo,🙂
      Isabel

  2. Este seu texto, Isabel, coincidiu com um daqueles meus dias maus – maus porque estou com outra infecção respiratória – e eu bem sinto que é a mais pura das verdades.
    Um enorme abraço e que todas as pequninas paragens que possa fazer venham a frutificar mais tarde!!!

  3. As vezes é preciso “sentirmo-nos mal”… inquietos com tudo e todos…. para conseguir olhar para o que esta à nossa volta… será que não somos nós a querer olhar numa outra perspectiva, a querer mudar??… será assim tão mau?… ou tão bom?…
    é bom parar, para olhar… ver… sentir… e por vezes encontramos as respostas que procuramos…
    Bjs

    • …a inquietude é importante… fundamental, diria mesmo!!!
      Vamos continuar a procurar as respostas!!! e tu és jovem… e FANTÁSTICA!!! Força aí!!!
      Obrigada por estares presente… SEMPRE… e neste momento, sabes bem o quanto isso me é importante e o quanto me tem ajudado.
      beijinho…muito, muito amigo e cheio de ternura e gratidão
      Sempre…
      Isabel

  4. “As pequenas “pausas de reflexão” constituem momentos retemperadores, que ajudam a tomar fôlego para o caminho que está por percorrer. Por momentos, o “encerrar para balanço” ajuda a encontrar um sentido mais rico no que se fez, naquilo que se fruiu, ou que nos desagradou; cria-se um pouco mais de lastro para continuar a navegar.”
    Vasco Prazeres
    Precisamos de facto PARAR… para continuar a NAVEGAR e é muito bom saber-te a navegar, de novo, neste mar que nos acolhe e tanto nos dá. Obrigada Isabel por seres minha “companheira marinheira” desta embarcação🙂 Um grande beijinho

    • … às vezes, queria Teresa, deviamos parar apenas porque sim… porque as pausas devem fazer parte da vida para reflectir, avaliar, reformular e tentar melhorar o que fazemos e somos. Mas a grande aprendizagem que me porponho desta vez é de não parar só quando o corpo grita!!! Porque aí o trabalho de recuperação é mais complexo, moroso e difícil. Mas que é SEMPRE uma aprendizagem, é.
      … e estou a procurar navegar, apesar das dificuldades… e também porque, ter COMPANHEIROS MARINHEIROS nos ajuda muitissimo a manter e melhorar anossa embarcação e a viagem que podemos e devemos fazer com ela.
      Obrigada por vires aqui!!!
      Sempre,
      Isabel

  5. Joana diz:

    Olá Isabel,
    Tanto gostei de a ler.

    Um beijinho e bom fim de semana

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s