olhar calado

morrem palavras
à nascença
.
mãos paralisam-se
geadas na noite labirinto,
onde lua é arabesco
a gretar pés despidos
no caminho
 
gela o suor escondido
 
veste-se a capa
sob o olhar calado,
vítreo de brilho.
.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

6 respostas a olhar calado

  1. Marcolino diz:

    Olá, Isabel!
    …gosto…!
    Abraço
    Marcolino

  2. retiro do éden diz:

    Quando há tudo para dizer… e … mas, nada pode ser dito.
    Foto Divinal.
    Abraço
    Mer

  3. João Nuno diz:

    Talvez os momentos mais silenciosos sejam também os de maior liderança interior.
    Calam-se, às vezes, sonhos e vontades. Cala-se a harmonia e a força de ir além.
    Cala-se a vida.
    O que se é.
    Cala-se o amor. O desamor. Os ganhos e tudo o que se perde.
    Não se cala a amizade. A que tem brilho.
    Um beijo terno.
    João Nuno

    • Estas palavras, João Nuno, vou deixá-las a ecoar num lugar que agora nem sei, mas sinto que existe.
      É bom que não se cale a amizade, e se deixe reverberar o brilho que contém.
      Obrigada, meu jovem e querido amigo
      Sempre,
      Isabel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s